Nem aí pras curvas

 


Ao contrário da ascendente, a curva descendente do amor é lenta, e morna, como um banho de imersão cheio de espuma de sais e cheiros mais ou menos enjoativo e florais. Que ao marulhar das árvores lá fora, cá dentro, repousa um lugar vazio…

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s